PUBLICIDADE




Dados divulgado nesta sexta-feira pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revelam que o Brasil registrou mais mortes violentas de 2011 a 2015 do que a Síria, país em guerra, em comparação ao mesmo período.

Foram 278.839 ocorrências de homicídio doloso, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e mortes decorrentes de intervenção policial no Brasil, de janeiro de 2011 a dezembro de 2015, frente a 256.124 mortes violentas na Síria, entre março de 2011 a dezembro de 2015, de acordo com o Observatório de Direitos Humanos da Síria.

“Enquanto o mundo está discutindo como evitar a tragédia que tem ocorrido em Alepo, em Damasco e várias outras cidades, no Brasil a gente faz de conta que o problema não existe. Ou, no fundo, a gente acha que é um problema é menor. Estamos revelando que a gente teima em não assumi-lo como prioridade nacional”, destacou o diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima.

Anuário mostra que Brasil tem mais mortes violentas do que a Síria em guerra




Dados divulgado nesta sexta-feira pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revelam que o Brasil registrou mais mortes violentas de 2011 a 2015 do que a Síria, país em guerra, em comparação ao mesmo período.

Foram 278.839 ocorrências de homicídio doloso, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e mortes decorrentes de intervenção policial no Brasil, de janeiro de 2011 a dezembro de 2015, frente a 256.124 mortes violentas na Síria, entre março de 2011 a dezembro de 2015, de acordo com o Observatório de Direitos Humanos da Síria.

“Enquanto o mundo está discutindo como evitar a tragédia que tem ocorrido em Alepo, em Damasco e várias outras cidades, no Brasil a gente faz de conta que o problema não existe. Ou, no fundo, a gente acha que é um problema é menor. Estamos revelando que a gente teima em não assumi-lo como prioridade nacional”, destacou o diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário