PUBLICIDADE


Um pai segura seus dois filhos mortos em uma das mais chocantes imagens dos horrores da guerra síria. A cena foi registrada após o covarde ataque com armas químicas que deixou 72 civis mortos na província de Idlib. Assim como outras crianças vitimadas no ataque, os gêmeos Aya e Ahmed, de apenas 9 meses, não resistiram aos gases tóxicos liberados no bombardeio. O pai, Abdel Hammed Alyousef, também perdeu a mulher, o irmão e três sobrinhos na barbárie.

Os rebeldes sírios e a comunidade internacional, incluindo os Estados Unidos, acusam o ditador Bashar Assad pelo ataque. O regime sírio nega.

O bombardeio químico atingiu a cidade síria de Khan Sheikhoun nesta terça-feira. Alyousef estava com os bebês quando o ataque aconteceu. Ele contou à agência Associated Press que as crianças estavam conscientes quando os tirou de casa, junto com sua mulher Dalal Ahmed. “Dez minutos depois, nós podíamos sentir o odor.”

Ele levou Adale e os gêmeos Aya e Ahmed para os paramédicos e, acreditando que ficariam bem, foi procurar outros parentes, mas encontrou seu irmão e três sobrinhos, assim como vários vizinhos e amigos, já mortos. “Não conseguimos salvar ninguém”, disse.

Alyousef, de 29 anos, só descobriu mais tarde que seus filhos e esposa também não resistiram ao ataque. Com os corpos já sem vida no colo, Alyousef pediu a um primo que o acompanhava que registrasse seu adeus aos bebês.

De Veja.com

Síria: o homem que perdeu a família inteira no ataque químico


Um pai segura seus dois filhos mortos em uma das mais chocantes imagens dos horrores da guerra síria. A cena foi registrada após o covarde ataque com armas químicas que deixou 72 civis mortos na província de Idlib. Assim como outras crianças vitimadas no ataque, os gêmeos Aya e Ahmed, de apenas 9 meses, não resistiram aos gases tóxicos liberados no bombardeio. O pai, Abdel Hammed Alyousef, também perdeu a mulher, o irmão e três sobrinhos na barbárie.

Os rebeldes sírios e a comunidade internacional, incluindo os Estados Unidos, acusam o ditador Bashar Assad pelo ataque. O regime sírio nega.

O bombardeio químico atingiu a cidade síria de Khan Sheikhoun nesta terça-feira. Alyousef estava com os bebês quando o ataque aconteceu. Ele contou à agência Associated Press que as crianças estavam conscientes quando os tirou de casa, junto com sua mulher Dalal Ahmed. “Dez minutos depois, nós podíamos sentir o odor.”

Ele levou Adale e os gêmeos Aya e Ahmed para os paramédicos e, acreditando que ficariam bem, foi procurar outros parentes, mas encontrou seu irmão e três sobrinhos, assim como vários vizinhos e amigos, já mortos. “Não conseguimos salvar ninguém”, disse.

Alyousef, de 29 anos, só descobriu mais tarde que seus filhos e esposa também não resistiram ao ataque. Com os corpos já sem vida no colo, Alyousef pediu a um primo que o acompanhava que registrasse seu adeus aos bebês.

De Veja.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário