PUBLICIDADE


Quão preocupado você ficaria se o seu telefone, e-mail e endereço pudessem ser consultados por qualquer pessoa na internet? Pois é esse tipo de informação que o site Telefone.Ninja oferece gratuitamente a qualquer um que fizer uma pesquisa em sua base de dados.

Para consultar os dados basta digitar o nome completo da pessoa. Apesar de ser gratuito, o site permite um número limitado de buscas. Após dez pesquisas, ele informa que o usuário estourou seu limite de buscas gratuitas. “Por favor, aguarde alguns dias para ter seu acesso liberado novamente”, informa o Telefone.Ninja.

Para o procurador da Justiça do Núcleo de Suporte a Investigação de Delitos Cibernéticos do Ministério Público de São Paulo, Paulo Marco Ferreira Lima, uma investigação pode ser aberta sobre o caso, pois o servidor comete “crimes comuns”, apesar da carapuça cibernética.

“As informações dos bancos de dados foram obtidas por meio de hackeamento ou via um insider [alguém de dentro das empresas que possuía os dados] ou ainda por spam”, afirma Lima.

Essa conduta, segundo ele, classificaria a existência de crimes previstos no Código Penal, como o de receptação, por exemplo. “Essas informações foram obtidas de alguma forma, então receptação ou outros crimes normais que podem ser investigados aí”, conta.

(Com a Veja.com)

Site que expõe dados de consumidores pode ser investigado


Quão preocupado você ficaria se o seu telefone, e-mail e endereço pudessem ser consultados por qualquer pessoa na internet? Pois é esse tipo de informação que o site Telefone.Ninja oferece gratuitamente a qualquer um que fizer uma pesquisa em sua base de dados.

Para consultar os dados basta digitar o nome completo da pessoa. Apesar de ser gratuito, o site permite um número limitado de buscas. Após dez pesquisas, ele informa que o usuário estourou seu limite de buscas gratuitas. “Por favor, aguarde alguns dias para ter seu acesso liberado novamente”, informa o Telefone.Ninja.

Para o procurador da Justiça do Núcleo de Suporte a Investigação de Delitos Cibernéticos do Ministério Público de São Paulo, Paulo Marco Ferreira Lima, uma investigação pode ser aberta sobre o caso, pois o servidor comete “crimes comuns”, apesar da carapuça cibernética.

“As informações dos bancos de dados foram obtidas por meio de hackeamento ou via um insider [alguém de dentro das empresas que possuía os dados] ou ainda por spam”, afirma Lima.

Essa conduta, segundo ele, classificaria a existência de crimes previstos no Código Penal, como o de receptação, por exemplo. “Essas informações foram obtidas de alguma forma, então receptação ou outros crimes normais que podem ser investigados aí”, conta.

(Com a Veja.com)

Nenhum comentário:

Postar um comentário