PULICIDADE




Alto do Rodrigues - A retirada de equipamentos da sede da Central do Cidadão na manhã de hoje por volta das 9h, no município, causou revolta e protesto da população em toda parte da cidade.

No momento da retirada, encontrava-se no local o vereador Zé Pedro, líder da bancada governista na Câmara Municipal que acompanhou todo o movimento e inclusive fez gravações em vídeo de posse de um telefone celular.

O nosso blog teve acesso a uma correspondência enviada via e-mail pela Coordenadoria de Atendimento ao Cidadão (CODACI), endereçada a gerência da Central do Cidadão registrada com o horário de 10h40, informando e autorizando a "retirada de toda e qualquer documentação ou equipamentos do ITEP e do DETRAN" que processavam documentos na unidade, destinando os mesmos para a cidade de Macau, encerrando serviços essenciais que de acordo com informações fornecidas pela gestão municipal recebiam as maiores demandas, deixando assim a população de Alto do Rodrigues e de toda região na mão.

Leia a íntegra:

Caro Sr. Gerente, bom dia.
Através do presente, informo a Vossa Senhoria que está autorizado por esta Coordenadoria a retirada de toda e qualquer documentação ou equipamentos do ITEP e do DETRAN, a qual será realizada pelos servidores dos referidos órgãos, tendo em vista a implantação de postos de atendimento no Município de Macau/RN.
Sem mais para o momento,
Att.,
Clênio Maciel
COODENADOR DA CODACI/SETHAS



Conforme fomos informados, a gestão municipal aguardará uma posição do governo estadual com relação a continuidade dos serviços, pois tem o interesse de continuar atendendo a todos os usuários do município e região.

Para o vereador Zé Pedro, o caso se trata de mais um ato de covardia do ex-prefeito Eider Medeiros com o povo de Alto do Rodrigues, Segundo o edil, ele foi quem foi pedir ao governador do Estado para acabar com os serviços prestados pela Central do Cidadão, prejudicando o povo do Alto e da região e como forma de se vingar do povo pela derrota para Abelardo Rodrigues nas urnas nas eleições de 2012.

Central do Cidadão foi informada após a retirada dos equipamentos



Desde as primeiras horas da manhã de hoje, a população de Alto do Rodrigues faz protesto nas ruas contra o ex-prefeito Eider Medeiros que foi pedir ao governador do Estado, Robinson Faria (PSD), para fechar alguns serviços da Central do Cidadão que dependem da esfera estadual, prejudicando com isso a população do município.

A denúncia partiu do vereador Zé Pedro, que é candidato a  reeleição, que inclusive estava no prédio da Central aguardando a chegada da equipe estadual para recolher, sem explicação e de forma grosseira, os equipamentos apropriados para processar os documentos Carteira de Identidade (ITEP) e dos serviços prestado pelo Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN).


A atitude revoltou a população do município e de pessoas de outras cidades que buscavam atendimento no local no momento da retirada dos equipamentos pela equipe ligada ao governo.

A nossa reportagem conseguiu chegar na Central quando Erivan Ananias, de 41 anos, que é servidor público municipal de Guamaré, na região da Costa Branca, procurava informações sobre como tirar a Carteira de Habilitação.

Ainda de acordo com o edil, a Central do Cidadão em Alto do Rodrigues é mantida pela prefeitura municipal que banca aluguel do prédio, energia, equipamentos e ainda cede os servidores para que a mesma funcione e sirva a população.

Não por coincidência, a candidata a prefeita apoiada pelo governador Robinson Faria, Jaqueline Medeiros é do mesmo partido do governador, o que segundo Zé Pedro poder explicar o que ele classifica de covardia e perseguição com o povo de Alto do Rodrigues.

Acompanhado por moradores da cidade, o parlamentar fez um movimento de protesto nos quatro cantos da cidade com a participação do povo para anunciar e explicar a população o que o ex-prefeito Eider Medeiros fiz juntamente o com governador Robinson Faria com a população de Alto do Rodrigues e da região.

A pedido de ex-gestor, governador fecha dois serviços na Central do Cidadão em Alto do Rodrigues e população faz protesto

Em Barrocas, candidato a reeleição destaca o melhor resultado do IDEB do município



Durante o domingo (25), das 8 às 15 horas aconteceu na cidade de Vila Flor uma eleição simulada com a finalidade de testar a biometria dos eleitores e os sistemas eleitorais envolvidos (softwares de urna, totalização, transmissão e divulgação).

De um total de 2.582 eleitores aptos a votar no município, 447 compareceram a simulação, o que corresponde a 17,31% do eleitorado. Número acima da meta esperada pelo Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação (STIC), que previa uma participação de 400 eleitores.

Na simulação ainda foram testados procedimentos de contingência como “barriga de aluguel” entre urna e “cartão de contingência”. Todas as manobras foram realizadas com sucesso.

Ao final da votação a totalização e o envio de dados ocorreu normalmente e o coordenador de Sistemas, Osmar Fernandes testou, com êxito, o sistema para os dispositivos móveis “boletim de mão” que, através de “QR CODE” lê os boletins de urna e armazena os dados no celular do usuário.

Segundo o secretário de TIC, Marcos Maia “de uma maneira geral foi muito bom o resultado obtido no simulado, onde tivemos uma presença de quase 450 eleitores, tornando-se possível a verificação de algumas falhas operacionais dos mesários na identificação da biometria do eleitor, além de ter sido testado os sistemas da urna, transmissão dos resultados do próprio local, totalização dos votos e, de forma inédita, o aplicativo móvel boletim na mão”, disse.

A Diretora geral do TRE-RN, Andrea Campos, parabenizou a equipe da TIC e da 11ª zona eleitoral pela iniciativa de fazer o simulado em Vila Flor , “o qual diagnosticou o perfeito funcionamento dos sistemas a serem utilizados nas eleições e do aplicativo móvel, além de pontos importantes a serem orientados aos mesários como a forma correta da coleta da digital do eleitor”, avaliou.

TRE-RN realiza eleição simulada em Vila Flor


´
Com a perspectiva de uma reforma da Previdência Social, uma das prioridades do governo do presidente Michel Temer, alguns trabalhadores estão inseguros e buscando informações em postos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Para especialistas consultados pelaAgência Brasil, no entanto, a pressa em se aposentar não é a melhor saída e pode até causar prejuízos.

Especialista em Finanças Públicas, o professor José Matias-Pereira, do departamento de Administração da Universidade de Brasília, afirma que os trabalhadores estão certos ao buscar informações sobre as condições das suas aposentadorias no momento em que uma reforma previdenciária é discutida. Mas ele alerta para os riscos de uma decisão irrefletida.

“As pessoas próximas de atingir a época de se aposentar têm de ir ao INSS buscar informações. Isso é uma coisa recomendável, pois, se a reforma acontecer e a pessoa não estiver preparada, pode ser que venha a ficar muito mais tempo na ativa. Agora, as pessoas precisam se conduzir de uma maneira equilibrada, sem açodamento”, aconselha.

Ele destaca, por exemplo, que os trabalhadores que não atingiram as regras da fórmula 85/95, - que permite escapar do fator previdenciário e receber aposentadoria integral - saem no prejuízo ao apressar a saída da ativa.

Matias-Pereira lembra que o governo não enviou a proposta de reforma ao Congresso Nacional e que as discussões dos parlamentares devem ser longas.“É um processo lento, que imagino que vai atravessar o ano que vem. Se tudo correr bem e o governo tiver boa capacidade de conduzir esta questão, só vamos definir isso no segundo semestre de 2017”, estima.

Transição

O economista Renato Fragelli, professor da Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV), destaca que, quaisquer sejam as mudanças implementadas pela reforma da Previdência, elas não ocorrerão sem uma transição. Quanto mais perto o trabalhador estiver de se aposentar, mais suave tende a ser a transição, ressalta o economista.

“Um exemplo de como poderia funcionar a transição: o sujeito que poderia se aposentar em uma determinada data, por exemplo, aos 55 anos, teria que trabalhar mais 20% do tempo que falta para chegar aos 65. Ou seja, ele teria que trabalhar dois anos a mais. Para quem está muito perto [de se aposentar], deve ser pouco significativo o tempo adicional”, avalia Fragelli.

De janeiro a julho deste ano, o INSS concedeu 724.324 aposentadorias, segundo dados disponíveis no site do Ministério da Previdência. O número supera em 9,47% as 661.639 concedidas de janeiro a julho de 2015. O período considerado no ano passado abrange, parcialmente, uma greve dos servidores do INSS, deflagrada em julho.

A reportagem solicitou à Previdência o número de novos requerimentos de aposentadoria, mas o ministério não disponibilizou a informação. Segundo o órgão, elevações na procura dos brasileiros por aposentadorias em relação a 2015 devem ser atribuídas à greve dos servidores, e não ao anúncio da reforma da Previdência pelo governo.

Temor
Empregada doméstica Ozima Valério afirma que não gostaria de esperar até os 65 anos para se aposentar

A empregada doméstica Ozima Valério dos Santos, 58 anos, foi ao INSS recentemente levantar seu tempo de contribuição. Ela sabe que seus pagamentos tiveram frequência irregular. “Comecei a contribuir em 1993, mas em muitos momentos não teve pagamento, porque trabalhei sem estar fichada [com carteira assinada]. Tinha épocas em que pagava por conta própria e outras, não”.

O INSS informou a Ozima que seu tempo de contribuição soma cerca de sete anos. A opção para ela seria a aposentadoria por idade, modalidade que prevê que mulheres podem se aposentar caso tenham completado 60 anos e contribuído por pelo menos 15 anos. Para homens, a idade é 65 anos. Outra modalidade de aposentadoria, pela fórmula 85/95, prevê um tempo de contribuição bem maior: 35 anos para homens e 30 anos para mulheres.

Ozima conta que gostaria de complementar do próprio bolso o que falta para os 15 anos de contribuição, assim que fizer 60 anos. Mas teme que, com as mudanças na Previdência, esta alternativa fique comprometida. “Eu acho que o jeito atual deve ser melhor. Ninguém sabe direito o que o governo vai fazer”, diz.

Ozima afirma que não gostaria de esperar até os 65 anos para se aposentar. O patamar tem sido divulgado como a idade mínima pretendida pelo governo, e foi defendido pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, em entrevista à TV Globo no início deste mês.


Mariana Branco - Agência Brasil

Com reforma da Previdência à vista, pressa para aposentar não é melhor saída



Ter que ir ao banco para pagar as contas e ficar preso nas filas é uma obrigação comum a muitos brasileiros. Mas, além de incômoda, a tarefa tem um impacto bilionário no produto interno bruto (PIB) do país – 495 bilhões de reais, para ser mais exato. A conclusão é de pesquisa sobre o uso de recursos digitais para atividades financeiras, da consultoria Mckinsey, divulgada neste mês.

O estudo estima quanto dinheiro seria acrescentado à economia de países em desenvolvimento se fossem adotadas mais ferramentas digitais para serviços bancários, empréstimos, pagamentos, seguros, entre outros. No caso do Brasil, o total “ganho” pela economia do país com as transações digitais seria de 495 bilhões de reais (152 bilhões de dólares) em 2025. Esse valor está dividido em 297 bilhões de reais em ganho de produtividade, 153 bilhões de reais em aumento de investimentos e 45 bilhões de reais em mais postos de trabalho. Nos países em desenvolvimento, segundo o estudo, o potencial é de 3,7 trilhões de dólares (12 trilhões de reais).

Na conta da McKinsey estão tanto a maior adoção de aplicações digitais pelas instituições tradicionais, como bancos e corretoras, quanto novos negócios provenientes de empresas financeiras totalmente baseadas no mundo virtual – as chamadas fintechs. Com suas atividades baseadas na rede em vez de contar com grande infraestrutura no mundo físico, essas empresas oferecem custos menores e conseguem alcançar população que fica de fora do sistema financeiro.

“Sistemas financeiros obsoletos implicam que bancos e outras instituições financeiras em países emergentes estão desenhados principalmente para servir os indivíduos mais ricos, grandes negócios e instituições públicas que movimentam grandes quantias de dinheiro”, diz o relatório. A estimativa é que 1,6 bilhão de pessoas não utilizem serviços financeiros digitais apenas nos países emergentes.

No Brasil, 32% da população adulta não tem conta bancária, segundo a McKinsey. Uma das empresas que trabalham de olho nesse público é a Zuum. A companhia de meios de pagamento é uma união operacional (joint venture) entre a Mastercard e a Vivo que foi criada em 2013 para realizar transações financeiras como transferências, pagamentos de contas recarga de vale transporte. Todo o serviço é feito por meio de um aplicativo para celular, o que significa que não necessariamente a pessoa precisa ter conta bancária para usar o serviço. É possível também fazer saques de dinheiro em caixas eletrônicos.

Para o diretor de marketing da empresa, Eduardo Abreu, há espaço para atingir mais gente além dos cerca das 600.000 pessoas que já baixaram o aplicativo em seus celulares. “Cobrimos 90% das necessidades de transação de quem não está bancarizado”, afirma.

Requisitos

Para que a evolução no uso de serviços ocorra, é preciso que haja infraestrutura digital abrangente, mercado para serviços financeiros amplo e sustentável e produtos que as pessoas queiram usar, segundo a pesquisa. Ao menos nos dois primeiros aspectos, o Brasil parece ter um grande potencial. O número de smartphones está na casa de 168 milhões de unidades, segundo um estudo da Fundação Getulio Vargas. A cobertura de celular, por sua vez, já chega a 95% da população, de acordo com dados analisados pela McKinsey.

A pesquisa da consultoria atesta o grande potencial que o país oferece nessa seara. Para o diretor assistente do Federal Reserve, John Schindler, autor de análise sobre o tema, existe um grande público jovem, conectado, que pode estar em busca de soluções financeiras fora do sistema financeiro tradicional. “Houve uma queda na confiança nas instituições financeiras depois da quebra do Lehman Brothers e a crise mundial”, disse ele ao site de VEJA em recente passagem pelo Brasil.

Fonte: Veja

Brasil ‘ganharia’ R$ 495 bi com maior uso de serviços digitais




Alto do Rodrigues - Os moradores do Conjunto Habitacional (Cohab) receberão nesta segunda-feira (26) a Caravana do 25 para um encontro (Reunião Verdade 25) a partir das 19 horas, na quadra de esportes.

Mobilização Reunião Verdade 25 acontece nesta segunda-feira (26)

Giro 360 - Confira alguns flash's nos bastidores e no meio da galera

De 100 jogadores, dois são bem avaliados em 'peneirão' de time da séria A. Um é de Alto do Rodrigues



O juiz Sergio Moro autorizou o compartilhamento com o grupo de trabalho da Polícia Federal responsável pelos inquéritos da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal das informações presentes nos celulares do empreiteiro Marcelo Bahia Odebrecht – preso desde 19 de junho de 2015.

A força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, ao se manifestar para o juiz Sergio Moro sobre o compartilhamento material, apontou que “não há como negar a relação entre os fatos apurados perante este juízo e perante o Supremo Tribunal Federal”.

Atualmente, existem no Supremo 81 inquéritos contra 364 investigados na Lava Jato, incluindo pessoas físicas e jurídicas e até pessoas sem foro mas que devido ao envolvimento com os parlamentares deverão ser julgadas pela Corte máxima. O aparelho do maior empreiteiro do país foi apreendido na 14ª fase da operação, deflagrada em 19 de junho de 2015 e que levou à prisão Odebrecht e do empresário Otávio Marques, da Andrade Gutierrez.

No celular de Odebrecht, que está em vias de fechar acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF), foi encontrado um conjunto de siglas com referência a políticos, frases cifradas e codinomes que revelaram a proximidade do empreiteiro com o mundo político.

Quando o material veio à tona, a PF utilizou tarjas para preservar o nome dos políticos com foro privilegiado, justamente pelo fato de as investigações estarem no âmbito da primeira instância judicial naquela época. Muitas mensagens já foram decifradas pelos investigadores em Curitiba. Eles descobriram a existência de um “departamento de propinas” que funcionava na empresa e envolvia não apenas obras na Petrobras.

Desde que o funcionamento do departamento foi revelado, em março deste ano, a cúpula da empreiteira, incluindo Marcelo Odebrecht, decidiu colaborar com as investigações.

Agora, além da força-tarefa em primeira instância, os investigadores da Diretoria de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal em Brasília vão poder aprofundar as investigações, mirando em políticos que detêm foro privilegiado perante o STF e cujos nomes e contatos estão armazenados no aparelho do empreiteiro.

A Lava Jato já conseguiu cruzar o conteúdo das mensagens de celular e anotações na agenda eletrônica de Marcelo com operações financeiras e outros elementos que, para o MPF, ligam os executivos ao esquema de corrupção na Petrobras.

Parte desse material decifrado já foi utilizada para embasar denúncias contra nomes ligados à empreiteira. Nenhum dos diálogos e anotações que fazem referências expressas a políticos, porém, ainda foi decifrado e cruzado com outras informações das investigações.

(Com Estadão Conteúdo)

Moro autoriza e STF vai receber dados do celular de Odebrecht


Na sessão de 20 de setembro corrente, o Tribunal Superior Eleitoral, nos termos do artigo 23, XIV, do Código Eleitoral e atendidas as exigências estabelecidas na Resolução TSE nº 21.843/2004, deferiu a requisição de força federal para 47 Zonas Eleitorais contemplando 86 municípios do Rio Grande do Norte, conforme relação abaixo:

A Corte Superior Eleitoral ainda não apreciou o pedido de envio de tropas federais para o município de Parnamirim (48ª e 50ª ZEs).

Zona Eleitoral
Localidade
05
Bom Jesus e Senador Elói de Souza
06
Ceará-Mirim, Ielmo Marinho e Pureza
08
São Paulo do Potegi, São Pedro, Santa Maria e Riachuelo
09
Goianinha, Tibau do Sul e Espirito Santo
11
Canguaretama e Baia Formosa
12
Nova Cruz
13
Santo Antônio, Passagem, Serrinha e Várzea
14
Touros
15
São Jose de Campestre, Monte das Gameleiras e Serra de São Bento
17
Caiçara do Rio do Vento e Pedra Preta
18
Angicos e Fernando Pedroza
19
São Tomé
25
Caicó
26
Serra Negra do Norte e São João do Sabugi
27
Jucurutu
28
Santana do Matos e Bodó
29
Ipanguaçu
30
Macau, Guararé e Galinhos
31
Campo Grande
32
Areia Branca
33 e 34
Mossoró
35
Apodi e Felipe Guerra
36
Caraúbas
38
Serrinha dos Pintos
39
Umarizal
43
São Miguel
44
Lagoa Salgada
45
Severiano Melo, Itaú e Rodolfo Fernandes
46
Taipu
47
Pendências, Alto do Rodrigues e Carnaubais
49
Upanema
52
Parazinho e Caiçara do Norte
53
Tangará, Serra Caiada e Sítio Novo
54
Pedro Avelino
55
Almino Afonso
57
Governador Dix-Sept Rosado
58
Baraúna, Serra do Mel e Tibau
59
Jardim de Piranhas
60
Marcelino Vieira e Tenente Ananias
62
Poço Branco
63
Portalegre e Riacho da Cruz
64
Extremoz, Maxaranguape e Rio do Fogo
65
Encanto, Rafael Fernandes e Água Nova
66
Arêz e Senador Georgino Avelino
67
Nizia Floresta
68
Campo Redondo, Coronel Ezequiel, Jaçanã e Lajes Pintadas

TSE defere o envio de tropas federais para o RN